10/09/2010

Os "professores" estão dançando

Meu amigos e amigas podem pensar que é brincadeira, mas é a pura verdade. O futebol é assim mesmo. Os jogadores ficam, mas os treinadores "professores" da bola são os culpados.

Na 20ª rodada do Campeonato Brasileiro, 20 treinadores já sairam de seus clubes durante a competição. Os mais recente: Toninho Cecilio (Vitória) e Mário Sérgio (Ceará). Ambos se quer chegaram a esquentar o banco. E a dança vai continuar até o fim.

Estamos caminhando para a 21ª rodada do Brasileirão e muitos treinadores são intocáveis como Luxemburgo (Atlético Mineiro), Renê Simões (Atlético Goianiense), Renato Gaúcho (Grêmio), Jorginho (Goiás), Silas (Flamengo) e Felipão (Palmeiras).

Todos estes citados estão com a corda no pescoço e rumando para a Série B em 2011. E nada acontece com eles. Todos seguem ganhando bem e enganando os torcedores.

Na realidade, os maus dirigentes seguem na direção dos seus clubes. Os maus jogadores seguem ganhando fortunas.

Os maus treinadores seguem enganando e até questionando os árbitros que se quer chegam a influenciar em resultados como muitos "professores" da bola chegam a insinuar. Tudo cascata. E eles seguem faturando alto.



E ponto final.

2 comentários:

Silvana - Interior Adentro disse...

Olá Sr. Naldo...

Passo aqui para deixar meus pêsames pela passagem de tua sogra. Sinto muito perda em família, isso sempre nos aborrece.

Receba toda minha solidariedade e carinho e, nem precisava dizer mas sai por impulso: cuide bem da Lou e dê um beijo grande nela por mim.

Como o Sr. sempre diz: é bola pra frente!

Um grande abraço!

Biula disse...

Oi, caro amigo, boa noite!

Não há o que agradecer, é um momento delicado, graças a Deus a Lou pode contar contigo, vc a conhece melhor que todos.

Olha, nem vou te chamar de Prof, depois desse teu alerta nesse post, realmente a coisa tá feia pro lado do Flamengo, estamos em maus lençóis, nossa!

Não sei se é birutice minha, deve ser, mas depois da Copa deu um baixo astral no futebol brasileiro, tudo sem graça.

Caro Rozinaldo, nem tenho palavras, não há muito o que dizer, desejo que as emoções se tornem menos doídas para vcs todos.

Aquele abraço fraterno,